Fome Animal (Brainhead)

Título Original: Braindead
Diretor: Peter Jackson
Roteiro: Stephen Sinclair
Produção: Jim Booth
Estúdio: WingNut Films
País: Nova Zelândia
Ano: 1992
Duração: 97 Minutos
Tema: trash-comédia/gore

Elenco: Timothy Balme (Lionel Cosgrove), Diana Peñalver (Paquita Sanchez), Elizabeth Moody (Vera Cosgrove), Ian Watkin (Tio Les), Caçador do Macaco-ratazana de Sumatra (Peter Jackson)

Sinopse - Lionel (Timothy Balme) é um homem que mora com a mãe possessiva. Ao conhecer uma garota hispânica, apaixona-se e a convida para sair. Sua mãe, com ciúmes, segue o casal, num passeio ao zoológico e acaba sendo mordida pelo temível macaco-ratazana de Sumatra. O que eles não sabem, é que essa mordida, conhecida pelos nativos como "Sengaya", transforma a vítima em zumbi, causando o pior a família de Lionel.

Crítica ID - Vanessão

Só pra começar, foram usados mais de mil litros de sangue de porco durante as filmagens. O custo da produção gira em torno de três milhões de dólares, o que, para os padrões trash, é algo bem generoso. Tem de tudo neste filme: mulher latina, guri pau-mandado, padre lutando kung-fu, zumbis malucos tendo filho (!), macaco-ratazana de Sumatra (!!!), tem o escambal. Diz a lenda que a filmagem não teve um corte sequer.

Mas vamos lá. Lionel é o famoso bom moço. Trabalha, ajuda a mãe, é obediente, blá blá blá. E um cabação também. Ele tem interesse em uma moça (feia que é um gambá velho, por sinal) que trabalha em uma loja. Ela é meio cigana, e a vó da moça tira a sorte nas cartas de tarot, onde aparece um símbolo do homem da sua vida.

De uma forma bem boba (pra combinar com o perfil de Lionel) ela descobre que o dito homem é o jovem meio pateta que sempre vai na sua loja. E passa a se interessar pelo cara. Até aí tudo bem. Vamos dar uma voltinha juntos, pra conversar, ver se rola um sexo selvagem depois, aquela coisa toda. E quer programa mais cretino do que ir ao zoológico jogar pipoca pros macacos?

A mãe do cara, uma velha rabugenta que ninguém merece, fica com ciúmes quando vê que o filho está interessado na garota. Eles vão no programa de índio do zoológico, e a velha coroca atrás, espiando. Desatenta ao que acontece ao seu redor, ela se aproxima da jaula de uma criatura monstruosa (aliás, não sei o que aquele diabrete estaria fazendo em um zoológico....) e acaba sendo mordida. O casal vê que é a mãe de Lionel que foi ferida, e lá se vai o encontro.

Até aí tudo ok. Mais um encontro destruído por uma sogra viúva na fissura. O grande e real problema, é que o macaco ratazana ( Simian raticus, fala sério) transmite algo na saliva. Não fica claro se é um microrganismo, ou se é uma substância, mas o fato é que o miserável ferra mesmo com a pessoa. O ferimento piora e a vítima morre. Após um certo tempo, se reergue como zumbi.

O pobre do Lionel leva a mãe pra casa, e quando a velha vai piorando, ele chama a enfermeira, afinal, ninguém alí sabe que a mulher está sofrendo de "Sengaya". Lá vai mordida na enfermeira também, que fica contaminada pela mesma porcaria que a velha. Por precaução (ou por ser estúpido demais para pensar em outra coisa) Lionel tranca as duas no porão.

O mequetrefe compra tranquilizantes, achando que vai resolver o caos, ledo engano. A velha, já enzumbizada vai atrás do filho, na loja da Paquita, e acaba atropelada por um bonde. Todos pensam que ela morreu. Mas a encrenca está só começando. Daí pra frente é o ápice do trash, com a infecção iniciando com um grupo de arruaceiros no cemitério, que tomam uma coça do padre ("Eu chuto traseiros em nome do Senhor!") e terminando com uma horda de monstrengos tomando a mansão em que Lionel mora.

Durante o decorrer da história, Lionel não tem coragem de arrancar a cabeça dos zumbis-amigos-parentes, então os mantém numa espécie de "asilo" que montou em sua própria casa. Há sequências memoráveis, como o padre fazendo sexo com a enfermeira (ambos zumbis) e gerando um bebê-zumbi medonho, que é até levado para passear no parque, num carrinho protegido com arame farpado.

Como se não bastasse toda essa confusão, Lionel ainda tem a pretensiosa visita de seu desagradável tio interesseiro, que acaba descobrindo a trupe de zumbis, e começa a chantageá-lo. Esse mezenga também tem um desafortunado fim.

Uma cena bem comentada é quando Lionel se defende do bando de zumbis que toma a sua casa, usando um mega-over-power cortador de grama. Lembra do sangue de porco que mencionei no início? Então, metade foi usado nessa sequência. É uma lambança que não acaba mais.

Poderia passar o resto do dia falando sobre esse filme, que inspira boas risadas, e é considerado por muitos como o melhor filme trash já produzido. E se tratando de Peter Jackson, o cara já era um gênio desde os primórdios! Mas vou deixar pra vocês conferirem,  e manifestarem suas opiniões.

Em suma, um dos meus filmes preferidos, o famoso "terrir", com uma dose gore bem pronunciada. Na Noruega, foram distribuídos sacos de vômito para os espectadores no cinema. É, não se fazem mais vikings como antigamente.......









Compartilhar no Google Plus

Autor Vanessa Duarte

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Editá-lo no html
    Blogger Comentarios

6 5:

  1. adoro.esse e evil dead são os melhores,ri pra kraí desse troço,enfim clássico.

    ResponderExcluir
  2. Um dos melhores que ja vi

    Porra o Peter Jackson é foda

    ResponderExcluir
  3. assisti esse filme com 6 anos.. coincidência achar ele agora..

    ResponderExcluir
  4. teremos ele na nossa extensão http://horroreseries.blogspot.com/ é considerado uma obra prima do trash realmente um dos meus preferidos!

    ResponderExcluir
  5. Eterno e Lendário marcou minha vida

    ResponderExcluir
  6. filmes de terror baseado na vida real.. trash son los mejores.

    ResponderExcluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial